NÍVEL DAS RESERVAS HÍDRICAS DO CEARÁ JÁ É PREOCUPANTE

NÍVEL DAS RESERVAS HÍDRICAS DO CEARÁ JÁ É PREOCUPANTE

- em Geral
109

Nível das reservas hídricas do Ceará já é preocupante
No fim da quadra chuvosa (fevereiro a maio) de 2018, o nível médio dos reservatórios era de 17,2%

O Castanhão, maior açude do Estado, está com 6,99% para o Vale do Jaguaribe e RMF ( Foto: Thiago Gadelha )
00:00 · 21.08.2018 por Honório Barbosa – Colaborador
Iguatu. O Ceará acumula em suas reservas hídricas 14,9% nos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Há 23 reservatórios em situação de volume morto e 12 estão secos. Outros 12 estão acima de 90% e 90 abaixo de 30%. A situação é considerada crítica e tende a piorar nos próximos meses por causa da evaporação e maior consumo decorrente do aumento de temperatura no sertão cearense.

No fim da quadra chuvosa (fevereiro a maio) o nível médio dos reservatórios era de 17,2%. Em comparação com igual período de 2017, houve uma pequena melhora, pois em 31 de maio daquele ano, as reservas acumulavam 12,6%.

Das 12 bacias hidrográficas que integram o Ceará a situação mais crítica é a do Médio Jaguaribe (6,93%), Alto Jaguaribe (8,83%), Banabuiú (9,03%) e Sertões de Crateús (9,27%). A maior reserva está na Litorânea que acumula (75,04%).

Preocupação

A preocupação mais uma vez é com o Açude Castanhão, que é o maior do Estado, e tem reserva de água em torno de 6,99% para atender à demanda de parte do Médio, todo o Baixo Jaguaribe e suporte para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). No fim da quadra chuvosa deste ano, o Castanhão acumulava 8,44%. Em igual período de 2017, o nível era de 5,7%. No início deste ano estava com 5,06%. O nível mais baixo foi registrado em 22 de fevereiro, com 2,08%.

No entanto, os dados mostram que a RMF estava, em 31 de maio de 2017, em torno de 33,6% e, neste ano, em igual período, registrou 33,4%, uma pequena redução. Entretanto, o baixo nível dos reservatórios Castanhão e Orós impedem a transferência de grandes volumes para a Capital.

Há dificuldades para atender à demanda em municípios da Bacia do Médio e do Baixo Jaguaribe. Cidades como Russas, Quixeré, Palhano e Jaguaruna dependem de água de poços rasos, perfurados em áreas de aluviões. “O Castanhão tem mais água do que em 2017, mas é um sufoco para atender à demanda de várias cidades”, observou o regional do escritório da Cogerh, em Limoeiro do Norte, Francisco de Almeida Chaves.

O segundo maior reservatório do Ceará, o Orós tem apenas 8,3% de sua capacidade. No fim da quadra chuvosa deste ano estava com 10,4% e em igual período de 2017 acumulava 9,5%. O açude tem o papel de abastecer diversas comunidades na região do Médio Jaguaribe, dentre elas, Nova Floresta, Feiticeiro e Mapuá, em Jaguaribe; e Jaguaribara. “Após retificação do leito do riacho Feiticeiro e instalação de uma adutora para aquela comunidade, será preciso liberar água do Orós para atender à demanda de moradores daquela região”, frisou Almeida Chaves. “Não há uma data definida, mas é preciso que seja logo”.

As cidades de Mombaça, Pereiro e Boa Viagem são as que continuam em situação mais crítica porque os açudes que abasteciam aqueles centros urbanos continuam secos – Serafim Dias, Adauto Bezerra e Vieirão, respectivamente. Além da distribuição de água por carros-pipa, houve perfuração de poços profundos, na tentativa de ampliar a oferta de água para os moradores.

Iguatu é o maior centro urbano do Centro-Sul do Ceará, com população estimada, em 2017, de 102.614 pessoas, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A cidade e parte da área rural, além de Acopiara, são abastecidos pelo Açude Trussu, que vem perdendo reserva desde 2012. Atualmente acumula 6,0%, mas, no fim da quadra chuvosa deste ano, estava com 7,2% e na mesma data em 2017, acumulava 12,1%.

Qualidade

A qualidade da água do Trussu está ficando cada vez pior e o temor é que, a partir de novembro, não tenha mais condições de captação para atender à demanda de Iguatu e Acopiara. Técnicos do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) já realizaram limpeza de poços antigos e perfuraram novos no leito do Rio Jaguaribe como alternativa de oferta de água e a Prefeitura tenta obter recursos com o governo do Estado para evitar problemas no abastecimento a partir de dezembro. A situação de Iguatu foi considerada confortável até o início deste ano, mas, após oito anos seguidos de perda de reserva, o Trussu dá sinais de esgotamento e a cidade enfrenta a expectativa de crise.

O chefe local do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Cléber Cavalcante, disse que, dentre os açudes do Órgão no Ceará, o Trussu é o que está em situação mais calamitosa. Segundo o gerente regional da Cogerh, Anatarino Torres, a situação do Trussu é realmente preocupante. “Desde 2012 que o açude Trussu vem perdendo água, obtendo recargas reduzidas, que se agravaram nos últimos dois anos. O reservatório depende de chuvas no Município de Acopiara, e em parte de Jucás e Saboeiro, pois Iguatu pouco contribuiu com a sua bacia”, explica.

O reservatório, no fim deste ano, deverá chegar a aproximadamente 3%, conforme projeção do escritório regional Cogerh. A projeção para fevereiro de 2019 é de 2,7%. A demanda somente para Iguatu é de 750m³/h. “Hoje, nós somos reféns da próxima quadra chuvosa”, frisou Anatarino Torres.

O terceiro maior reservatório do Ceará, o Banabuiú, chegou, em março passado a 0,4%, um nível crítico, que perdurou ao longo de 2017, mas, em abril deste ano, houve recarga e o reservatório terminou a quadra chuvosa com 7%. Um alívio para o quadro de baixo volume.

Fonte: DN

Deixe um Comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja também

EMISSORA DE RÁDIO INVADIDA E RADIALISTA SOFRE ATENTADO A BALA NA REGIÃO JAGUARIBANA CE

Emissora de Rádio invadida e radialista sofre atentado